A Santa Casa de Misericórdia de Birigui

A Santa Casa de Birigui foi fundada no dia 08 de dezembro de 1935.

Sua construção foi dada através da doação do terreno por Nicolau da Silva Nunes, por campanhas para a arrecadação de material de construção, mão-de-obra, entre outros fatores; além de quermesses e participação popular via mutirões. No início a Santa Casa de Birigui era administrada por uma Irmandade. Atualmente o Hospital é administrado por um Interventor nomeado pelo prefeito da cidade de Birigui.

Missão

Prestar serviços de saúde à população de Birigui e região, para pacientes que necessitam de cuidados médicos e ambulatoriais, atuando de maneira eficaz, com ética, respeito e profissionais qualificados.

Visão

Tornar-se um hospital de referência regional, integrado aos sistemas de saúde pública e privada, mantendo a união das equipes de trabalho dos diversos setores, objetivando a continuidade dos serviços com o maior calor humano possível.

Valores

Ética, compromisso, respeito, humanização e esperança.

Dados Cadastrais 

Razão Social: IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BIRIGUI CNPJ: 45.383.106/0001-50

Rua Doutor Carlos Carvalho Rosa nº 115 – Bairro Patrimônio Silvares CEP: 16.201-010 – Birigui – São Paulo

Contato:   
administracao3@santacasabirigui.com.br           presidencia@santacasabirigui.com.br 

 Telefone: (18) 3649-3100

Irmandade da Santa Casa de Birigui:cuidados  que a população merece

Fundada em 1935, a Irmandade da Santa de Casa de Birigui inicia suas atividades com a finalidade de cuidar, abrigar e amparar a população de baixa vulnerabilidade social. Pouco tempo depois, em 1939, adquire o registro de filantropia.

Atualmente, a Irmandade da Santa Casa de Birigui atua em diversos municípios sempre com o objetivo de cuidar e valorizar as pessoas, com destaque à dignidade humana, oferecendo sempre atendimento humanizado no âmbito da saúde. Amparada na lei federal 9.637/98, o trabalho da Santa Casa de Birigui é legitimado como Organizações Sociais (O.S).

Para levar o melhor atendimento à população, a Santa Casa de Birigui estabelece parcerias com empresas, estados e municípios conveniados e todas sem fins lucrativos. Para isso, conta com profissionais altamente qualificados e que demonstram to- tal capacidade para oferecer os melhores serviços e atendimentos.

Tendo como uma das principais missões levar atendimento digno à população, a Irmandade é composta por uma diretoria engajada em executar projetos que atendam às necessidades dos municípios.  Atualmente, a Irmandade possui parcerias estabelecidas nas cidades de Birigui, Guapiara, Barueri, Penápolis, Araçatuba, Ribeirão Pires e Lençóis Paulista.

Vale destacar que a Irmandade cumpre com todas as exigências estabelecidas e é uma das únicas do Estado a possuir o selo de CEBAS (Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social), que comprova a qualidade dos serviços prestados e também de uma gestão transparente, além de ter recebido o alvará concedido pelo Corpo de Bombeiros.

O compromisso com a população é, e sempre será, a maior responsabilidade da Irmandade da Santa Casa de Birigui

 

Um dos principais objetivos da Irmandade da Santa de Casa de Birigui é manter, administrar e desenvolver estabelecimentos destinados a prestação de serviços de saúde dentro dos parâmetros e proporções estabelecidos pela legislação e regulamentos federais, estaduais e municipais e pelos normativos aplicáveis ao SUS (Sistema Único de Saúde), observando, sempre, os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência para o alcance de suas finalidades sociais.

Justamente por isso, em seu campo de atuação constam a prestação de assistência integral à saúde, por intermédio de hospitais, ambulatórios, postos de saúde, prontos socorros, serviços especializados de urgência e emergência ou atenção básica que venha a gerir, mantendo-os e provendo-os, assim como suas dependências, proporcionando à comunidade assistência de alto padrão.

Além disso, a Irmandade também promove o desenvolvi- mento de programas de saúde coletivas e comunitárias, podendo realizar ações de imunização, educação em saúde, prevenção e controle de doenças e de orientação sanitária. Também proporciona meios de cooperação no ensino, pesquisa e difusão de conhecimento cientifico, concernentes à especialização médica hospitalar, farmacêutica, fisioterápica, bio- médica, nutricional, odontológica e demais áreas de conhecimento humano relacionadas à saúde.

Convênio com o SUS e atendimento médico humanizado

A Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Birigui é o único hospital conveniado ao SUS na cidade prestando também atendimento médico hospitalar para os demais municí- pios da região. Birigui é sede da microrregião, que abrange os municípios de Brejo Alegre, Bilac, Coroados, Lourdes, Turiúba, Buritama, Piacatu, Gabriel Monteiro, Santópolis do Aguapeí e Clementina.

Atualmente a Santa Casa atende alguns convênios, tais como Santa Casa Clínicas, São Francisco, Unimed e funciona como retaguarda do SUS, com características de um hospital geral de Nível Secundário com 115 leitos e dotado, ainda, de Clínica Cirúrgica (Cirurgia Geral e a Cirurgia Especializada), com Especialidades de Anestesiologia, Cirurgia Geral, Clínica Médica, Ginecologia, Neurologia Clínica, Obstetrícia, Ortopedia, Pediatria, Pneumologia e Urologia, UTI e serviços ambulatoriais, além de Unidade de Terapia In- tensiva com sete leitos e Centro Cirúrgico com cinco salas de cirurgia.

Salienta-se, ainda, que a entidade tem como finalidade social à assistência médica e hospitalar, criar, manter e desenvolver seus estabelecimentos hospitalares onde serão admitidas à consulta, tratamento e internação, pessoas de qualquer condição social

 

Monitoramento e avaliação contribuem para desempenho da equipe de trabalho

A Irmandade Da Santa Casa De Misericórdia De Birigui, con- forme apresentado na presente Proposta de  Técnica, acredita no monitoramento da avaliação como forma de evitar a aliena- ção dos trabalhadores, na me- dida em que esta permita a re- flexão sobre seu fazer cotidiano, sendo utilizada como norte para pensar sua prática e os resulta- dos de seu trabalho.

Não bastasse o próprio com- prometimento da qualidade do serviço, sabe-se, também, que a falta de análise e de percepção dos resultados do próprio traba- lho contribuem em muito para a desmotivação e sofrimento dos trabalhadores. Daí a importân- cia de enfatizar as informações oriundas das avaliações e o seu potencial de aumentar o coefi- ciente de comunicação entre os sujeitos, autonomia e protago- nismo de coletivos, na medida em que esta possa se colocar como elemento capaz de pro- vocar o agrupamento de diferentes pessoas/profissionais/saberes (equipes) em torno de dados que passem a ser objeto de co-análise eco-decisões.

Portanto, a entidade considera que essa avaliação moni- torada será capaz de nortear a configuração efetiva de equipes multiprofissionais atuando na perspectiva transdisciplinar e de modo compartilhado. Nessa di- reção, informação e movimento avaliativo (monitoramento) pro- vocam as equipes a se capacitarem, levantarem, construírem, inventarem e pactuarem situações, metas e indicadores que orientem a renovação do trabalho/serviços e propiciem aprendizagens coletivas – fomentando análises na perspectiva de uma avaliação participativa, for- mativa, emancipatória, ou seja, alimentadora do protagonismo dos trabalhadores em seu próprio desenrolar. Avaliação que deve contribuir para “encorajar o diálogo e a reflexão” e “estimular o co-aprendizado entre atores”, aprendizagem esta que é “a chave para o desenvolvimento de capacidades para os grupos e organizações locais”

Então, vale ressaltar que essa perspectiva teórico-política que se deseja para a avaliação no âmbito da atenção e gestão em saúde parte dos princípios da Política Nacional de Humaniza- ção (PNH). Nessa concepção, enfatiza-se a participação dos diferentes sujeitos, gestores, trabalhadores, usuários, pes- quisadores, apoiadores, nos processos avaliativos. Esses são essenciais em todas as fases dos panoramas avaliativos: identifi- cação de situações a serem mo- nitoradas/avaliadas, conceituali- zação, demarcação de objetivos, critérios de representação/indi- cadores, mensuração, interpreta ção e validação dos dados.

Para se caracterizar como mé- todo e dispositivo da Política de Humanização, a avaliação reves- te-se com os princípios mais centrais dessa Política, dentre eles a compreensão de que as institui- ções de saúde têm como finalidades primordiais alcançar a produção/prestação de serviços e também a produção de sujeitos.

Em síntese, a avaliação de desempenho (monitoramento), será uma avaliação que possibilite mudanças nas situações/ serviços, e capacitação e desen- volvimento dos sujeitos envolvidos, Portanto, valorização dos trabalhadores.

Certificação Ouro em Esterilização Hospitalar

A Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Birigui possui a Certificação Ouro em Esterilização Hospitalar da 3M, única empresa que concede o título às unidades de saúdes brasileiras. A certidão reconhece as boas práticas da instituição no manuseio de materiais cirúrgicos, o que reduz os riscos de infecção hospitalar.

Certificação CQH – compromisso com a qualidade hospitalar O CQH  é um programa  de adesão voluntária, cujo objetivo é contribuir para a melhoria contínua da  qualidade   hospitalar.   Estimula a participação e a autoavaliação e contém  um componente educacional muito importante, que é o incentivo à mudança de atitudes e de comportamentos.A certificação do CQH do é entregue aos hospitais na terceira fase do Programa CPFL de Revitalização Hospitalar, é dividida em três categorias: Ouro, Prata e Bronze, de acordo com a pontuação obtida pelas instituições. Os critérios de pontuação foram definidos pelo CQH para hospitais com mais de 150 leitos. Outro critério de avaliação, criado pela CPFL em parceira com o CEALAG para hospitais de 50 a 150 leitos, também possui as mesmas três categorias e reconhece os esforços das instituições para melhorar os seus processos internos.

Além da  capacitação e transferência      de      tecnologia de  gestão,  fomenta   a   criação de redes, mobilização social, voluntariado  e realiza   projetos de eficiência energética. São trocadas lâmpadas comuns por econômicas, equipamentos antigos por novos, ações que impactam na redução do consumo de energia. A IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BIRIGUI recebeu a certificação na Categoria Prata.

 

 

 

Áreas de atuação

Ao longo de sua trajetória, a Irmandade Da Santa Casa De Misericórdia De Birigui  acumulou experiência nas seguintes atividades:

  • Gestão de Prontos Socorros/Hospitais: gestão das unidades de saúde e execução de atividades de saúde inerentes aos serviços específicos de cada uma delas.
  • Plantões Médicos: execução de atividades de plantão por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e outros profissionais envolvidos.
  • Serviços não médicos do ESF;
  • Mapeamento da área e dos equipamentos sociais presentes nesse território como escolas, associações comunitárias, ONG’s, etc.
  • Planejamento, busca ativa, captação, cadastramento e acompanhamento das famílias de sua área atendida.
  • Acolhimento, recepção, registro e marcação de consultas.
  • Ações individuais e/ou coletivas de promoção à saúde e prevenção de doenças.
  • Consultas de enfermagem.
  • Realização de procedimentos de enfermagem: imunizações; inalações; curativos, drenagem de abscessos e suturas; administração de medicamentos orais e injetáveis; terapia de reidratação oral, etc.
  • Acolhimento em urgências básicas de enfermagem.
  • Realização de encaminhamento adequado das urgências, emergências e de casos de maior complexidade.
  • A coleta de material para exames laboratoriais e a dispensação de medicamentos devem ser analisadas sob a perspectiva do custo benefício da centralização ou descentralização dessas ações de acordo com o planejamento municipal.

Graças a sua experiência e pelo seu desempenho de qualidade   e eficiência, a Irmandade da Santa Casa De Misericórdia De Birigui passou a celebrar convênios de parceria, apoio e coordenação técnica com instituições públicas e privadas. Nos últimos anos, estendeu sua expertise para diversos municípios.

Para demonstrar a capacidade gerencial da Irmandade Da Santa Casa De  Misericórdia  De Birigui na execução do que será apresentado neste Projeto Técnico,    será     apresentado, a seguir, os conceitos e pressupostos utilizados para formular o modelo da estrutura organizacional, com a finalidade de garantir a agilidade da percepção da estrutura da organização.

A estrutura organizacional representa um elo de ligação entre as estratégias traçadas pela entidade e a sua atuação dentro do ambiente ao qual ela está inserida. Será demonstrado a estrutura geral da instituição, disposta em níveis hierárquicos, onde quanto mais alto estiver um cargo, maior a autoridade e a abrangência da atividade

 

Recursos humanos primários da OSS Irmandade Da Santa Casa De Misericórdia De Birigui

A Irmandade Da Santa Casa De Misericórdia De Birigui possui equipe técnica multiprofissional para a implantação, execução e gerenciamento do Projeto aqui proposto. São:

  • Administradores, gestores de RH e técnicos administrativos
  • Assistentes Sociais
  • Contadores
  • Enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem
  • Farmacêuticos e Bioquímicos
  • Fisioterapeutas
  • Fonoaudiólogos
  • Médicos
  • Nutricionistas
  • Psicólogos
  • Técnicos em Gesso, Patologia, Raio X e outros
  • Terapeutas Ocupacionais
  • Engenheiro
  • Arquiteto

 

Recursos de suporte da OSS Irmandade Da Santa Casa De Misericórdia De Birigui

Os serviços administrativos incluídos nas atividades que garantirão retaguarda ao bom funcionamento serão realizados pela OSS-Irmandade Da Santa Casa De Misericórdia De Birigui por meio de sua estrutura centralizada de funcionários. São:

  • Contabilidade Financeira;
  • Representação, inclusive jurídica;
  • Compras, patrimônio, logística e controle de fornecedores;
  • Recursos Humanos e Saúde Ocupacional;
  • Educação permanente e aperfeiçoamento profissional;
  • Gerenciamento das instalações;
  • Gerenciamento de Tecnologia da Informação;
  • Auditoria.

Ética, compromisso, respeito, humanização e esperança.